“A dimensão do sector público tem de ser repensada”

Written by  //  4 de Julho de 2011  //  Especial Eleições Antecipadas, Por Perto  //  No comments

O presidente do Tribunal de Contas defende que é urgente levar a cabo uma reorganização da Administração Pública. Guilherme d’Oliveira Martins garante ainda que o Tribunal de Contas vai assumir todas as suas responsabilidades no controlo da execução do acordo com a missão internacional.

Para Guilherme d’Oliveira Martins a “aproximação aos cidadãos é um factor positivo” e por isso defende que a “descentralização pode e deve ser um factor de disciplina” na Administração Pública. Numa conferência em Lisboa com o titulo “E Depois da Troika?”, o presidente do Tribunal de Contas considerou que a dimensão do sector público tem de ser repensada”.

No âmbito do acordo com as instituições internacionais o Tribunal de Contas vai “assumir todas as suas responsabilidades”, garante o responsável. Para Guilherme d’Oliveira Martins existem duas grandes preocupações: “a concretização do código dos contratos públicos” e as “concessões e parcerias público- privadas”. Para o responsável, estas ferramentas devem ser usadas mas sempre de “uma forma racional”.

Sobre a UE, o presidente do Tribunal de Contas acredita que precisa de “mais voz económica que complemente a voz monetária”.

About the Author

Diogo Carreira

Sempre sem juízo, numa luta constante pela liberdade de imprensa e de expressão. Jornalista profissional desde 2008, mas com o bichinho da escrita e da imagem desde os gloriosos anos da primária. O gravador em mini K7 transformou-se num iPhone, a máquina fotográfica de rolo é agora uma digital. O papel e caneta? Esses são os mesmos.

View all posts by

Leave a Comment

comm comm comm