Ministério da Economia reduziu os gastos em 55 por cento nas nomeações

Written by  //  28 de Agosto de 2011  //  Por Perto  //  No comments

Até à passada sexta-feira o Governo de Passos Coelho tinha nomeado 498 novos funcionários. Ainda assim, quando comparado ao anterior Executivo, alguns ministérios reduziram em mais de 50 por cento os gastos com o pessoal.

Após a nomeação de 498 funcionários num período de dois meses, a página do Governo apresentou a comparação dos gastos actuais de sete ministérios com o montante dispendido nos mesmos ministérios durante a governação de José Sócrates.

Ministério da Economia, Ministério dos Assuntos Parlamentares, Ministério dos Negócios Estrangeiros, Ministério da Defesa Nacional, Ministério da Administração Interna, Ministério da Saúde e Secretaria de Estado da Cultura gastam, em conjunto, menos cerca de 439 900 euros em ordenados do que o que foi gasto pelo anterior Governo nestes ministérios.

Com menos 55 por cento de dinheiro dispendido em pessoal do que o anterior Executivo, o Ministério da Economia é aquele que mais poupou. Actualmente o Ministério da Economia e do Emprego agrega também os serviços respeitantes às Obras Públicas, contribuindo assim para a maior poupança. Após 59 nomeações nos últimos dois meses, são gastos mensalmente 177 556 euros, menos 220 mil euros que o anterior Governo.

O Ministério dos Assuntos Parlamentares e os Gabinetes do Ministro-Adjunto, que até ao momento são os recordistas das nomeações (65), têm um gasto fixo de 151 645 euros mensais, poupando ainda assim cerca de 45 mil euros.

No que diz respeito ao Ministério dos Negócios Estrangeiros, 88 mil euros é a quantia gasta com os ordenados dos 39 nomeados, menos 27 mil euros do que o anterior Governo gastava com este ministério. O Ministério da Defesa Nacional despende pouco mais de 77 mil euros na remuneração dos 30 funcionários nomeados, poupando quase mais 22 mil euros do que o ministério de José Sócrates.

Com 33 nomeações para o Ministério da Administração Interna, os gastos mensais são de cerca de 71 mil euros, representando uma poupança de 19 mil euros em relação ao mesmo ministério durante a governação de Sócrates.

Quanto ao Ministério da Saúde, o montante gasto em ordenados, cerca de 61 mil euros, representa menos 46 900 euros do que o dispendido anteriormente.

A Secretaria de Estado da Cultura gasta aproximadamente 54 mil euros com as remunerações dos funcionários, menos 60 mil euros que o anterior Ministério da Cultura. Contudo, é no Gabinete do Secretário de Estado da Cultura que está uma das adjuntas mais bem pagas de todo o Executivo, que aufere 4 724 euros brutos por mês.

About the Author

DezInteressante

Para quem se interessa.

View all posts by

Leave a Comment

comm comm comm