1 de Maio marcado por manifestações por toda a Europa

Written by  //  1 de Maio de 2013  //  De Longe  //  No comments

manifestaçãoPortugueses, espanhóis e gregos, saíram esta quarta-feira às ruas para se manifestarem contra a austeridade. Neste dia do trabalhador também o Papa Francisco veio apelar aos dirigentes políticos a criação de medidas para promover o emprego.

Foram milhares as pessoas que desfilaram esta quarta-feira, dia 1 de Maio, para demonstrar o seu descontentamento relativamente à actual situação económico-financeira. Os países do sul da Europa, como Portugal, Espanha, Grécia e Turquia viram assim os seus cidadãos manifestarem-se contra as medidas de austeridade e a favor da criação de mais emprego. Este último pedido, foi também reforçado pelo Papa Francisco que, em Roma, pediu aos dirigentes políticos para fazerem os possíveis para criar mais emprego.

Em Portugal, a UGT (União Geral de Trabalhadores) realizou uma manifestação em Lisboa, tendo feito o seu percurso habitual do Marquês de Pombal até aos Restauradores. Já a CGTP (Confederação Geral dos Trabalhadores Portugueses) organizou várias manifestações por todo o país, tendo em Lisboa realizado um desfile desde do Martim Moniz até à Alameda D. Afonso Henriques.

Arménio Carlos, secretário-geral da CGTP, qualificou este Dia do Trabalhador como um “dos maiores de sempre de todos os anos” e defendeu que está “na hora de o governo ir embora”. O secretário-geral anunciou ainda mais dois protestos para este mês, um para dia 25 (um sábado) com encontro marcado em frente ao Palácio de Belém para pedir a demissão do governo e outro protesto para 30 de Maio (quinta-feira), em várias localidades do país, “contra o roubo dos feriados e o trabalho gratuito”.

Numa altura em que o desemprego em Espanha atingiu um recorde histórico, registando uma percentagem de 27,16 por cento e 57,22 por cento entre os jovens (faixa etária dos 16 aos 24 anos) foram organizadas um total de 82 manifestações pelos sindicatos UGT e Comissiones Obreras. “Mais democracia, menos austeridade” e “6 200 000 desempregados, não à austeridade” foram algumas das frases que marcaram presença nos cartazes.

A Grécia, que se encontra no seu sexto ano de recessão, registou em Atenas e Salónica 13 mil manifestantes, de acordo com as autoridades policiais. Já na Turquia, o dia 1 de Maio ficou marcado pela greve geral contra a austeridade, tendo-se registado conflitos que fizeram deste o protesto mais violento desta quarta-feira.

About the Author

Florbela Lourenço

Vinda do interior do país, estudo Ciências da Comunicação na Universidade Nova de Lisboa. Gosto de ler, escrever e observar o que me rodeia. Tenho como objectivo trabalhar na área do jornalismo, sobretudo em televisão e/ou imprensa.

View all posts by

Leave a Comment

comm comm comm