Cientistas conseguem obter clones de células estaminais humanas

Written by  //  18 de Maio de 2013  //  Tecnociencia  //  No comments

Clonagem

Os cientistas conseguiram pela primeira vez clonar células estaminais embrionárias humanas a partir de células adultas. A técnica utilizada é semelhante à da ovelha Dolly em 1996. Na altura o mundo aguardava a importante descoberta que serve para o tratamento de doenças como parkinson ou a esclerose múltipla.

De acordo com a revista científica norte-americana Cell, uma equipa de cientistas da Universidade de Ciência e Saúde do Oregon dos Estados Unidos, liderada por Shoukhrat Mitalipov, conseguiu transplantar o núcleo de uma célula da pele, contendo o ADN (informação genética) de uma pessoa para a célula de um óvulo, de onde foi retirado o material genético. O núcleo da célula uniu-se com o óvulo, produzindo assim células mães.

Estas células-mães tem o poder de diferenciação, isto é, podem originar diversos tipos de células, em diferentes tecidos, sendo uma possível necessidade num auto-transplante de um paciente, pois este não correria o risco de sofrer rejeição dado que têm o mesmo material genético. Este foi um passo determinante também para o tratamento de doenças como o parkinson ou a esclerose múltipla, uma vez que as células estaminais podem ser usadas em medicina regenerativa.

Shoukhrat Mitalipov explicou que “as células-mãe obtidas por esta técnica demonstraram a sua capacidade para se diferenciarem como as células-mãe normais. (…) Estas células poderão regenerar e substituir aqueles tecidos ou órgãos danificados e lutar contra doenças que afectam milhões de pessoas”. Por fim, sublinhou que “há ainda muito a fazer, antes de se desenvolverem tratamentos eficazes à base dessas células”

O objectivo dessa prática não é clonar seres humanos. Em vez disso, pretende armazenar as células estaminais (da pele, por exemplo) de um doente no laboratório, sendo possível a sua utilização posteriormente para gerar tecidos e/ou órgãos compatíveis com esse doente, eliminando a chance deste sofrer alguma rejeição imunitária.

About the Author

Victor Rodrigues

View all posts by

Leave a Comment

comm comm comm